Foi divulgada na tarde de hoje (14) que Kathryn Newton é a capa de dezembro da sbjct journal, acompanhado de uma entrevista e uma linda sessão de fotos. Confira traduzida abaixo:

SBJCT fica bizarro com a maravilhosamente na moda, divertida e feroz Kathryn Newton. Erin Walsh falou com KN sobre a Mudança de Forma, o movimento de positividade de sua geração, como podemos elevar uns aos outros, a arte de seguir o fluxo e como ela aumenta sua vibração. Ah, e seus gloriosos poodles. Leia abaixo:

ERIN WALSH – Oi anjo!!! Foi muito divertido tirar as fotos e colaborar com você. Parabéns pelo grande sucesso de seu projeto mais recente, Freaky! Que surpresa legal para você em um ano tão estranho. Eu quero voltar ao começo. Você pode me contar como você começou a atuar e se envolveu no show biz?
KATHRYN NEWTON – Muito obrigada! Estou muito orgulhosa de Freaky e da resposta que ele está recebendo. Só de assistir a um filme e esquecer de ficar preso em casa é tão legal. Eu não sei como a atuação começou para mim, eu só sei que é tudo que eu já sabia. Quando eu era pequena, era como uma criança muito tímida na escola, então acho que meus pais tentaram me expor a muitas atividades. Eles me colocaram em balé, golfe, aulas de pintura, qualquer coisa só para ver o que me prendia e me motivava. Comecei a modelar como para a Toys R Us e coisas assim, então comecei a fazer testes e me saí bem com falas. Sempre foi divertido para mim, então continuei fazendo isso. Atuar sempre foi apenas um hobby e agora cresceu e se tornou minha minha carreira.

EW – Seus pais estiveram envolvidos em sua carreira desde cedo? Como você navega sendo filha e profissional? E como isso mudou hoje em dia?
KN – Hoje em dia sou principalmente uma filha. Não saio muito com meus pais desde a escola, então tem sido interessante, pode-se dizer. Agradeço o tempo que tenho com eles, mas estou pronta para voltar ao trabalho em algum lugar longe que seja seguro do Covid. Haha Meu pai e eu temos jogado muito golfe. Sempre foi nossa coisa.

EW – Você fez escola norlmal ou foi educada em casa?
KN – Eu fui para a escola. Eu era capitã do time de golfe do meu colégio e fazia parte do time ACADECA. Tive que aprender a me comunicar bem com os professores para ir à escola e trabalhar ao mesmo tempo. Adorei ir para a escola. Para mim funcionou estar na escola e ser atriz. As amizades que fiz no colégio ainda estão comigo e a experiência de um colégio clássico fez de mim quem eu sou. Foi difícil faltar à escola porque eu ficava atrasada, mas foi isso que me ensinou a trabalhar mais duro para o que você quer. Ainda uso a ética de trabalho que aprendi no colégio como atriz adulta. Quando eu estava na escola era tudo, e quando eu estava no set isso era tudo. Eu dei 100% para ambos os aspectos da minha vida.

EW – Trabalhar no set quando era muito nova – foi divertido para você? Em que ponto você sente que foi vista como uma adulta versus uma atriz mirim?
KN – Quando eu era jovem, eu comia os adereços e ficava encantada com as câmeras e os elementos fantásticos de estar no set. Ainda sou a mesma, não como os adereços, mas ainda sinto a mesma magia. Comecei aos 4 anos, o que fez com que trabalhar no set fosse sempre uma sensação brincar de me vestir. Eu ainda gosto de brincar de me vestir. Mudou para mim em The Society. A Netflix me deu a oportunidade de contar uma ótima história, uma história de adulto! Eu me senti responsável pelo papel de Allie de maneira diferente. O elenco era todo da mesma idade e crescemos muito como equipe e família. Eu senti uma mudança em mim mesma naquele set. As pessoas estavam olhando para mim para tomar decisões e percebi que se não as tomasse, outra pessoa o faria. Esse também foi o primeiro ano em que dei um Friendsgiving, me senti como uma verdadeira adulta.

EW – Me conte sobre as filmagens de Big Little Lies e sua jornada desde, digamos, o início da série, até onde você acabou quando terminou de filmar. O processo foi informativo para o seu processo de atuação? Alguma história de filmagem que você gostaria de compartilhar?
KN – Eu apareci com os olhos arregalados e calados e deixei Big Little Lies inspirada e determinada a fazer mais um bom trabalho. Big Little Lies foi como ir para a faculdade para mim, porque eu aprendi muito com cada pessoa naquele set. Pude observar a ética de trabalho e os detalhes que compõem uma produção premiada e fazer parte de algo muito maior do que eu. Fui puxada pela Reese e espero poder mostrar a mesma generosidade aos meus futuros colegas de elenco.

EW – Qual é o seu processo para encontrar um personagem e como ele evoluiu ao longo dos anos?
KN – Eu me esforço para contar a verdade sobre meus personagens. Sempre há algo que posso encontrar para me identificar também. Uma vez que o encontro, eu me inclino para isso e o expando até que o personagem se torne eu e eu escape completamente. Acho que sempre fui assim. Eu sou uma metamorfa. Nesse ponto, acho que gosto de personagens com os quais não me identifico. Assim, posso literalmente me tornar outra pessoa. Uma transformação básica começando com as palavras da página. Por exemplo, o açougueiro em Freaky. Não tenho nada em comum com o açougueiro, então me tornar o açougueiro parecia impossível. Mas eu me permiti me perder naquele personagem e me transformar nele. Às vezes é um pouco estranho, mas principalmente sou apenas eu sendo sincera.

EW – Você é muito física – desde o golfe até seus treinos intensos – conte-me um pouco sobre como conectar seu corpo e mente e como você faz isso diariamente. Algumas pessoas têm uma relação de amor e ódio com essa parte de se treinar como ator, mas você parece realmente apreciar a conexão. O que ele faz para você? E qual é a sua rotina?
KN – Eu sou atleta e sempre tratei a atuação como um esporte, então eles meio que andam juntos. Sempre adorei jogar golfe com meu pai. Sempre me sinto bem depois de caminhar com meus cães e malhar com um personal. O exercício faz minha mente e meu corpo se sentirem bem. Então, eu faço isso por mim, é um estilo de vida e, eventualmente, posso obter uma nutrição melhor. Por enquanto, os Hot Cheetos continuam sendo um grupo alimentar de destaque na minha rotina diária de lanches. Acho que se trata de encontrar um equilíbrio do que funciona para você.

EW – Vamos ficar Freaky. Eu adoraria saber como você e Vince Vaughn descobriram isso. Vocês se conheceram antes das filmagens? E como você descobriu a fisicalidade disso?
KN – Nosso primeiro encontro foi no ensaio de dança. Foi hilário e eu soube imediatamente que esse filme seria uma loucura. Trabalhamos com nosso diretor Chris Landon na criação de uma história de fundo e fisicalidade para Millie e o Açougueiro. Vince tinha tantas ideias excelentes e eu me inspirei nele. A melhor parte era estar em uma cena como o Açougueiro e poder perguntar a Vince o que ele pensava. A chance de compartilhar um papel com um ator que está no set com você é diferente de tudo que eu já fiz antes. Isso abriu uma abundância de oportunidades criativas. Podíamos correr tantos riscos porque estávamos lá para apoiar um ao outro. Poderíamos bater um no outro e ver o que funcionava. Vince realmente elevou meu desempenho, e sou muito grata por ter trabalhado com ele dessa forma. Foi incrivelmente divertido.

EW – Você tem alguma ideia de como o filme vai entrar neste ano, em termos da resposta que tem recebido?
KN – Eu não tinha ideia de como as pessoas reagiriam. Continuamos chamando esse filme de “maluco” no set. Nenhum de nós sabia como isso iria acontecer. É um filme louco e eu sou muito grata que as pessoas o amam. É divertido vê-lo nos cinemas e ouvir as reações de outras pessoas. Nada é melhor do que fazer as pessoas gritarem. Mas não acho que sabíamos quantas pessoas responderiam de forma tão positiva ao cerne da história. Eu tenho que entregar isso ao nosso diretor Chris Landon. Ele tinha a imagem completa em sua cabeça o tempo todo. Ele estava pensando grande, mas ao mesmo tempo nunca perdia um detalhe em cada cena. O filme é baseado no coração da história e se você assistir ao filme poderá dizer que nos divertimos fazendo isso. No final, as pessoas estão gostando, e isso é gratificante.

EW – Você é pessoalmente capaz de lidar com filmes de terror? Assistindo eles?
KN – Não! Mas eu assisto com amigos. Eu grito e pulo e os agarro. É a experiência que gosto e com quem você assiste é uma grande parte disso.

EW – Como alguém ainda jovem, mas com MUITO por trás de você profissionalmente e MUITO à sua frente, como você planeja quais são os projetos em que você se inscreve para participar? Você tem algo na forma de um plano de 5 ou 10 anos, ou é mais orgânico do que isso?
KN – Eu realmente não tenho um plano. Talvez eu deva ter um! Eu sei que quando fui para o colégio, definitivamente pensei que estava indo para a faculdade. Esse plano não deu certo, mas acabei excedendo o que pensei que seria o meu futuro. Estar aberta foi a chave para permitir que isso acontecesse. Nunca pensei em planejá-la, mas de alguma forma minha vida parece que está onde deveria estar.

EW – O que a mantém sã hoje em dia?
KN – Dançar no meu quarto e meus poodles. Música o dia todo, streaming, aprendendo a cozinhar, lendo. Eu definitivamente canto muito karaokê nessa hora também. Mantendo essa vibração alta.

EW – Quem realmente te inspira em termos da sua arte?
KN – Eu me inspiro nas pessoas com quem trabalho constantemente. O que mais aprendi é a levantar uns aos outros. Quando alguém que você admira te torna maior, isso muda você. Eu quero ser capaz de fazer isso também.

EW – Fale-me sobre a sua responsabilidade como pessoa com uma plataforma. O que você considera que seja? Você tem muitos seguidores, muitas pessoas a admiram. Como você vê isso?
KN – Tento usar minha plataforma para o bem. À medida que cresce, espero que minha plataforma mantenha um sentimento positivo e leve. Comecei a postar nas redes sociais para meus amigos, divulgando todas as minhas selfies, minhas fotos em forma e atualizações sobre cães. Essa é quem eu sou! Mas agora estou começando a prestar atenção nas conversas que a mídia social começa. No futuro espero postar mais sobre o que eu acredito, assim como fotos de poodle. Tenho orgulho de fazer parte do movimento positivo da minha geração. Nossas vozes são poderosas e estão mudando o mundo.

EW – Quais são algumas de suas causas favoritas e maneiras de devolver o bem ao mundo? Adoro compartilhar com nossos leitores as maneiras como eles podem contribuir para a mudança que você gostaria de ver no mundo…
KN – Eu sou uma defensora do hospital St. Jude. Eles são totalmente administrados por doações e o que fazem salva muitas vidas. Eu jogo em eventos de golfe beneficentes com St. Jude e, quando possível, mal posso esperar para voltar ao hospital para uma visita novamente. Acho que as crianças me inspiram mais do que qualquer coisa que eu possa retribuir.

EW – Nova maneira favorita de relaxar?
KN – Tento começar meu dia com uma meditação para estabelecer uma boa intenção e depois termino o dia com um longo banho quente. Apenas tiro um minuto para respirar por mim mesma.

EW – Filme favorito?
KN – Almost Famous! E então O Poderoso Chefão – todos eles.

EW – Lugar favorito para jantar em LA?
KN – Isso é difícil. Nunca estou aqui em LA, por isso nunca sei onde comer. Acabo no CPK para aquela salada de frango com churrasco ou no Urth para um chá verde e termino o dia.

EW – Viagem favorita antes da quarentena?
KN – Paris para a semana da moda. É o lugar mais romântico e sinto falta do glamour. Fui a brechós e livrarias e pintei em meu diário no rio. Andar por Paris é como estar em um filme. É tudo que eu quero fazer. Fazer uma longa caminhada em Paris.

EW – Qual é a sua rotina de quarentena este ano?
KN – Eu acordo e faço yoga e golfe ou tenho reuniões de zoom o dia todo. Tenho ouvido muita música e colocando todas as séries em dia!

EW – Há algo que você achou surpreendentemente maravilhoso sobre a hibernação?
KN – Estou feliz sem fazer nada e acho que essa pode ser a chave da vida. Além disso, meus poodles se tornaram meus melhores amigos.

EW – Eu tenho que falar sobre moda – obviamente. Você tem um talento natural para brincar com roupas e montá-las de maneiras maravilhosamente surpreendentes. Como isso começou? Quais são alguns dos seus momentos favoritos da moda? EU AMO NOSSA SESSÃO DE FOTOS!!!
KN – Adorei o que fizemos na nossa sessão de fotos!!! Gosto de me divertir e correr riscos. Se eu sinto que ninguém mais usaria algo, é quando eu mais quero arrasar. A moda me dá o poder de transformação. Às vezes é um vestido de princesa para o Golden Globe, mas também pode ser uma roupa de golfe que me fazer sentir como uma super-heróina no campo. Pode ser uma jaqueta de couro vermelha como o açougueiro ou um suéter da vovó para Millie. Escolha quem você quer ser e sua roupa pode ajudar a contar essa história.

EW – Qual você espera que seja o seu legado?
KN – Eu só quero ser verdadeira comigo mesma.

EW – Kathryn, qual é o seu SBJCT (assunto)? O que realmente motiva e impulsiona você?
KN – Meu coração realmente me carrega. Ainda não falhou. Eu posso dizer quando estou fazendo a coisa certa porque estou feliz. Eu escuto isso.

Fonte: sbjct

Confira a sessão fotográfica em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS > 2020 > SBJCT

SBJCT2020-001.jpgSBJCT2020-010.jpg SBJCT2020-009.jpg

Na noite de ontem (19), aconteceu no Shrine Auditorium em Los Angeles, Califórnia, o Screen Actors Guild Awards, parte da temporada de premiações de 2020, o SAG premia com base nos votos dos próprios atores.

Nossa querida Kathryn Newton esteve na premiação para prestigiar sua série ‘Big Little Lies’.

Confira as fotos e vídeos da Kathryn no evento:


APARIÇÕES & EVENTOS > 2020 > 19/01 – 26TH ANNUAL SCREEN ACTORS GUILD AWARDS AT THE SHRINE AUDITORIUM

sagawards190120-004.jpeg sagawards190120-011.jpeg sagawards190120-023.jpeg

APARIÇÕES & EVENTOS > 2020 > 19/01 – 26TH ANNUAL SCREEN ACTORS GUILD AWARDS AT THE SHRINE AUDITORIUM – INSIDE

sagawardsinside190120-001.jpeg sagawardsinside190120-007.jpeg sagawardsinside190120-016.jpeg

Kathryn também compareceu a after party da Netflix, confira as fotos:

APARIÇÕES & EVENTOS > 2020 > 19/01 – NETFLIX SAG AFTER PARTY AT SUNSET TOWER IN LOS ANGELES, CALIFORNIA

netflixsaga190120-003.jpeg netflixsaga190120-001.jpeg netflixsaga190120-002.jpeg

Confira alguns vídeos que legendamos de entrevistas da Kathryn no tapete cinza:



Hoje (27) foi divulgada uma nova entrevista acompanhada de uma sessão de fotos da nossa amada Kathryn Newton para a Paper Magazine.

Na entrevista, ela faz um bate e volta com alguns detalhes de sua vida e dia-a-dia. Confira traduzido abaixo:

De papéis menores em Lady Bird, Big Little Lies e o vencedor do Oscar, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, a atriz Kathryn Newton tem o tipo de currículo que você esperaria de alguém com o dobro da idade dela. Dito isso, a atriz de 22 anos não planeja desacelerar tão cedo, se seu ano passado indicou isso. Marcadamente versátil, Newton foi para papéis principais em grandes produções, incluindo Blockers, Detetive Pikachu, a série da Netflix, The Society, e o clipe da nova música do Post Malone, ‘Goodbyes‘. Sem precisar dizer, você vai ter que se acostumar com o rosto dela, porque ela está prestes a estar em toda sua lista de coisas para assistir.

Qual foi sua melhor noite?
A noite do Globo de Ouro quando Big Little Lies, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri e Lady Bird ganharam prêmios. Os petiscos estavam ótimos.

Qual foi a última mensagem que você enviou?
Eu enviei pro meu pai uma foto da massa que eu fiz toooda sozinha. Chef Kat… Eu não cozinho… Nunca. Então isso foi grande.

Qual foi a última música que você ouviu?
“What I Am” de Eddie Brickel, e então “Rewrite” do Paul Simon e que me levou para “No Option” do Post Malone, obviamente.

Se você não fizesse isso, o que você faria da sua carreira?
Eu seria uma jogadora de golfe profissional.

Qual seu pior hábito?
Comer Hot Cheetos de café da manhã.

Qual a coisa mais louca que você fez em 2019?
Uma viagem com o elenco de The Society e fiz bungee jump em uma floresta. Ainda não acredito que fiz isso.

Qual a coisa mais estressante sobre ser você?
Eu levo meus poodles onde eu vou.

Você joga seu nome no Google?
Pra ver quem estou namorando.

Onde você quer estar quando o mundo acabar?
Na lua.

Qual seu meme favorito no momento?
Os memes de The Society são ótimos!!!!

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS > 2019 > PAPER MAGAZINE

papermag2019-002~0.jpg

Fonte: Paper Magazine

Durante sua participação na U. S. Open na última semana na Califórnia, Kathryn concedeu uma entrevista para a People onde fala sobre sua paixão pelo golfe e a moda que envolve o esporte. Confira traduzido abaixo:

Ninguém faz o country club chique melhor que a Polo Ralph Lauren e a estrela de Big Little Lies, Kathryn Newton, prova isso.

A atriz de 22 anos é uma ávida golfista e se juntou com a marca americana para uma semana estilosa no campeonato de golfe U.S. Open em Pebble Beach na Califórnia – uma cidade no condado de Monterey perto de onde ela filmou a série da HBO.

“Eu cresci no campo de golfe,” Newton (que interpreta Abigail, a filha mais velha da personagem de Reese Whiterspoon), conta a People. “Eu sempre gostei de jogar em torneios. É ótimo estar aqui em Pebble Beach na U.S. Open e é onde eu gravei Big Little Lies. Sou tão sortuda de jogar golfe porque quando eu estou gravando, eu levo meus tacos, saio para jogar e ver a cidade.”

Newton também pode participar de algumas partidas com a Polo Ralph Lauren e o jogador profissional Billy Horschel (mas não antes de escolher o look perfeito).

“Roupas de golfe me fazem jogar melhor e eu me sinto feroz nelas,” a estrela de Detetive Pikachu conta a People. “Então elas são muito importantes pro meu jogo. Estar aqui com a Polo Ralph Lauren é uma honra. Eu amo o estilo. É tão tradicional, mas tem uma virada moderna.”

Na U.S. Open, Newton conta a People que ela usa fotos vintage para inspiração de estilo, em vez de redes sociais – calças xadrez, uma camiseta verde neon e uma viseira combinando. Ela diz que “No campo de golfe, você pode usar algo muito louco e usar várias cores chamativas.”

Quando se trata das Monterey Five de Big Little Lies, Newton diz que ela assaltaria o closet da Renata Klein, a mulher de negócios interpretada pela Laura Dern.

“Desculpe Madeline,” ela diz, se referindo a personagem de Reese Whiterspoon.

A esperada segunda temporada de Big Little Lies estreou no dia 9 de junho, seguindo as Monterey Five enquanto elas tentam superar do trauma do ano anterior e carregam um segredo mortal.

No episódio de estreia “What Have They Done?” todos os olhos estão em Madeline, Celeste, Jane, Renata e Bonnie enquanto o novo ano letivo começa.

Os fãs não esperaram nada expressando a excitação sobre a estreia nas redes sociais, twittando bastante sobre o retorno das Monterey Five e uma excitante adição ao elenco, a maravilhosa Meryl Streep.

Fonte: People

Kathryn concedeu uma entrevista ao The Hollywood Reporter durante sua o evento U.S. Open da Ralph Lauren essa semana em Los Angeles. Confira traduzido abaixo:

A estrela em ascensão assistiu a estreia não muito longe de onde aconteceram as filmagens – em uma viagem de golfe para a Ralph Lauren no U.S. Open em Pebble Beach.

Essa semana, a atriz Kathryn Newton estava de volta em Monterey, Califórnia. – Local de gravações da aclamada série Big Little Lies, onde ela co-estrela como Abigail, a filha adolescente de Madeline Mackenzie (Reese Whiterspoon).

Dessa vez não foi para filmar com o elenco, mas uma antecipação do campeonato U.S. Open de Golfe em Pebble Beach. Uma ávida golfista desde que tinha 8 anos, Kathryn Newton, agora com 22 anos, participa das festividades com a Ralph Lauren, a marca oficial da USGA e da U.S. Open.

Para a estreia de domingo de Big Little Lies, Newton teve essa “festa” para assistir a série com o time da Ralph Lauren, onde, junto com assistir o episódio, eles jogaram golfe por cinco horas na Spanish Bay e foram depois para o restaurante Casanova Carmel, onde ela já havia comido uma vez com seus colegas de elenco.

“Foi onde eu jantei com as Monterey Five, as icônicas Monterey Fice. Eu jantei com elas, e mal conseguia falar porque queria absorver todo o conhecimento que elas estavam soltando. Mas foi muito especial pra mim estar aqui no domingo,” Newton conta ao The Hollywood Reporter. “Reese me mandou uma mensagem dizendo ‘Porque você está em Monterey? É tão engraçado.’ E eu disse ‘Não é perfeito? Na noite da estreia?'”

Newton, que também interpretou Amy na versão de Little Women da PBS, Julie no filme Blockers, Allie em The Society e Lucy em Pokemon: Detetive Pikachu – fala sobre seu amor pelo golfe, suas peças de roupa com o tema Pokemon favoritas e como a diretora de Big Little Lies, Andrea Arnold usou a dança para manter a energia no set.

Sua semana começou na sexta no desfile da Moschino em LA, passando um tempo com Lana Condor, Camila Mendes e Madelaine Petsch. Você se divertiu com as meninas da Netflix?
Meu squad da Netflix? Eu amo elas. É engraçado, eu sinto que faço parte da família Netflix ou algo assim. E também elas são apenas meninas que eu acho maravilhoso poder chamá-las de amigas.

Então, qual o plano pra U.S. Open – você vai jogar golfe pra celebrar?
Na segunda eu conheci o Billy Horschel e o Justin Thones, que são os dois golfistas que eu sempre fui uma grande fã. E eu sempre fui fã da linha polo da Ralph Lauren. Eu literalmente tenho uma foto minha bebê vestida de golfista, três anos de idade, com meu pai, e eu estou usando Ralph Lauren. Então é muito legal pra mim. Uma honra.

O que você mais ama no esporte?
Acho que é porque está tudo em você. Jogamos no domingo na Spanish Bay, e se você tem um bom arremesso, é tudo você. E eu também amo ganhar [risos]. Eu cresci, meu pai me deu isso, e eu sinto que é um presente. Eu vou para as locações de projetos, e quando eu estava filmando Detetive Pikachu na Escócia, eu tinha os meus tacos e podia jogar nos dias de folga. Me deu várias experiências de vida diferentes. E eu amo moda. Então eu amo o estilo de moda do golfe. Eu acho que quando você acha a roupa certa, você joga melhor…

Eu sinto que esportes são importantes para as meninas porque é algo que ninguém pode tirar de você. Se você trabalha duro e pratica e ama isso, é para você e ninguém mais. Não importa sua aparência. No fim do dia, não importa o que você está vestindo, o que importa é sua pontuação. E atuar é uma coisa bem subjetiva. Você pode ser o melhor ator e não conseguir um papel e nunca saber porque…

É também uma coisa que eu gosto de fazer sozinha. Eu coloco uma música pra tocar e saio pra jogar. No domingo eu estava com o time da Ralph Lauren, e jogamos cinco horas e rimos o dia inteiro e conversamos e nos divertimos bastante. Ninguém mais faz isso. Ninguém mais fica fora do celular e aproveita o dia, então eu preciso de mais amigos que jogam golfe.

O que você mais gosta nos designs da Ralph Lauren?
Eu gosto da Ralph Lauren por causa da tradição da marca. Eu amo ser clássica no meu estilo, e eu sinto que a marca é muito autêntica de uma maneira clássica que se mantém verdadeira a história do golfe. E é difícil ficar fofa no campo de golfe e estar adequada, então é por isso que eu amo. Na segunda eu usei essa roupa de tecido fino com várias cores chamativas, o que é muito divertido.

Você gosta de cores chamativas?
No campo de golfe, você se safa de qualquer coisas. Às vezes eu quero ser corajosa e talvez use só preto, mas também uso coisas que não combinam entre si. Acho que você tendo esse plano de fundo verde, cores chamativas ficam boas nele.

Você trabalhou com vários designers no ano passado e foi a vários eventos, do fashion week de Paris da Dior a um jantar da Chanel no Tribeca Film Festival. O que você ama no mundo da moda?
Moda para mim é a chance de criar outro personagem. Eu amo me arrumar porque é divertido. Acho que é uma oportunidade de me divertir. Sempre foi assim – sempre amei me vestir loucamente se tenho a oportunidade, então, tive muita sorte no mês passado. Promovendo esses projetos e eu pude criar um personagem para cada um. Como na premiere de Detetive Pikachu, eu fiz com que meus vestidos parecessem Pokemons. Eu usei um que me lembrava o Jigglypuff.

Mas quando eu fiz Little Women, eram peças de época, então eu tentei achar roupas de época que me lembravam de coisas vintage. Eu gosto de fazer isso, refletir meus projetos no meu estilo. Eu adoraria fazer um filme de golfe e então usar roupas de golfe o tempo todo.

Qual é o seu top dois de vestidos de red carpet favoritos do último ano?
Oh eu acho que o vestido Maison Valentino que eu usei na premiere de Pokemon no Japão foi um dos meus favoritos. E então o vestido Ralph & Russo rosa que me lembrava o jigglypuff que eu usei na premiere de New York. Eu amo poder usar esses vestidos gigantes que eu jamais usaria na vida real.

O que especificamente você gostou nesses dois?
O vermelho, era na verdade da coleção de Tokyo. Então foi uma honra estar em Tokyo, a casa do Pokemon e usar essa coleção de Tokyo do Valentino. VOcê coloca um vestido às vezes e isso muda a maneira que você se comporta. Então eu gosto disso então eu levantava mais o pescoço.

Vamos falar sobre Big Little Lies, que acaba de estrear. O que você mais gosta em fazer parte dessa série?
Eu amo a história da minha personagem com sua mãe, porque eu sinto que muitas pessoas se identificam. Eu era uma adolescente, e eu e minha mãe passávamos por isso também. Então eu sinto que é um deses papéis que muitas mães vem até mim e dizem, “Oh meu Deus, minha filha e eu somos assim.” E eu acho que quando você interpreta algo que muitas pessoas se identificam, isso conecta as pessoas e as aproxima. Então eu amei poder interpretar a Abigail. E ela é muito mais legal que eu. As roupas! Podemos falar sobre as roupas por um momento? Eu quero ser legal que nem a Abigail.

Você tem um look favorito?
Oh céus, não, não tenho. Quer dizer, uma vez eu usei uma calça minha, vintage camuflada. E me senti muito honrada que eles quiseram usar algo do meu closet.

No primeiro episódio da segunda temporada, Abigail fala sobre não querer ir para a faculdade. Você se identificou?
Oh, sim. Sabe que é engraçado, quando eu consegui Big Little Lies, eu estava considerando ir para a USC. Eu queria jogar golfe lá. E eu consegui Big Little Lies e eu lembrei que depois da leitura do script, falei com a Reese sobre a faculdade. É engraçado – ela e minha mãe queriam muito que eu fosse. E eu ainda posso ir, mas isso é meio que paralelo na vida. Eu tive que escolher entre ir para a faculdade ou continuar minha carreira, e eu escolhi isso, o que foi meio assustador. Ficou tudo bem, mas sinto que a vida imita a arte às vezes, e isso realmente aconteceu comigo.

Certo, e ela está debatendo sobre fazer algo que ela gosta ao invés disso.
É difícil acreditar em si mesma quando você é jovem, quando você ainda não sabe quem é ou qual é a decisão certa a tomar. E Abigail, ela me inspirou um pouco a fazer o que eu quero.

Qual é a maior diferença, tematicamente e tonalmente, entre a primeira e segunda temporada?
Bom, temos uma pessoa diferente comandando o navio agora. Andrea Arnold foi nossa capitã, e ela tem um tom diferente do Jean-Marc Vallée. Ela tem uma maneira diferente de trabalhar. Eu amo ela demais. Ela fazia essa coisa maravilhosa – isso é um ótimo exemplo, entre cenas, não tinha tempo. A energia nunca caia, porque dançávamos. E podíamos tocar músicas enquanto trocavam as câmeras, o que eu amei. Ela fazia cenas comigo onde ela colocava a câmera em mim e tocava essa música clássica bem triste. E então eu começava a chorar e ela continuava filmando. Foi a primeira vez que fiz algo assim. Eu amei. Quero fazer de novo.

Eram mais músicas clássicas ou tinham músicas agitadas?
Tínhamos vários tipos… Ela usava música pra nos levar a um sentimento. Tipo ‘É assim que é pra nos sentirmos na cena.’

Como isso te ajudou a entrar na personagem e ter o certo humor para as cenas?
Bom, às vezes você não precisa de palavras para entender um sentimento, e atuar é meio isso. As palavras podem te ajudar num contexto da cena e do que se trata, mas o sentimento pode ser algo completamente diferente. Então a música meio que nos coloca na mesma página, porque a música nos faz sentir algo que você quer ou não. Você não pode parar de ouvir, a não ser que tape os ouvidos.

Quais eram as músicas que ela colocava?
Acho que várias delas estão na série.

Você teve um grande ano, com Detetive Pikachu e The Society. Como é ter tantas séries no currículo?
Eu me sinto muito sortuda agora, porque as pessoas estão assistindo. Eu tive pessoas que me falaram sobre suas experiências vendo Pokemon com seus amigos e assistindo The Society inteira em dois dias com amigos… Acho que é isso que me deixa animada sobre ter todos esses projetos lançados é as reações das pessoas, porque agora é uma experiência deles também… É engraçado e eu digo ‘Você assistiu The Society em dois dias? Você é doido? Agora assista Pokemon para ficar de bom humor.’

Que tipo de projeto você quer fazer a seguir? Quais seriam os quesitos de escolha?
Eu adoraria fazer uma comédia romântica, porque eu amo filmes que são para todos. E eu também adoraria fazer outro filme de ação. Eu amei fazer minhas próprias cenas de ação em Pokemon. Foi uma coisa diferente e eu acho que o golfe realmente me ajudou com isso, porque eu sou uma atleta, eu tinha a energia para manter e usar meu corpo e meu atletismo dessa maneira. E também é muito divertido voar nos cabos, eu preciso dizer isso.

Fonte: The Hollywood Reporter

Kathryn concedeu uma entrevista para a InStyle Magazine onde fala sobre Big Little Lies, The Society e sua paixão por golfe. Confira traduzido abaixo:

Kathryn Newton está apenas começando.

E por começando, eu quero dizer, continuando sua lista já pesada de papéis em filmes de Hollywood como Lady Bird, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, Blockers, e Ben Is Back. E, e depois de terminar sua participação em Halt and Catch Fire da AMC e Supernatural da CW, ela estreou como filha de Reese Whiterspoon em Big Little Lies e conseguiu um papel principal em The Society da Netflix – que saiu no mesmo dia que seu filme Detetive Pikachu. Já mencionei que ela não tem nem 23 anos ainda?

Nada demais.

Conversamos com a estrela do verão sobre medos da adolescência, ter Reese Whiterspoon como mentora (e Julia Roberts) e porque ela acha que é um ótimo momento para jovens mulheres em Hollywood. E mais, uma pequena conversa sobre chinelos da Gucci e The Office.

Aviso: Alguns Spoilers de The Society a seguir.

InStyle: Como é um dia normal na sua vida?
Kathryn Newton: Eu sempre, mesmo que esteja trabalhando ou não, acordo com uma pilha de poodles, porque eu tenho três poodles e eles dormem comigo – um no topo da minha cabela, um perto de mim e outro nos meus pés. Eu tento começar o dia longe do meu telefone o máximo que consigo, e então eu desço e levo meu cachorro para brincar, e então eu tenho essa nova máquina de expresso que o diretor de Detetive Pikachu me deu como presente de encerramento das gravações, então eu tomo café todos os dias.

Eu começo aí e então é alguma reunião ou prova de roupa que tenho que fazer, ou ir para o set. Depende do que está acontecendo no momento, mas eu sempre tenho meus poodles pela manhã.

Ouvi que você é uma golfista ávida? Você ainda joga?
Sim! Eu jogo bem mais quando tenho mais tempo. É algo que eu sempre fiz e levava muito a sério no ensino médio, e eu estava vendo como poderia ir para a faculdade com uma bolsa de golfe. É um objetivo meu virar profissional, mas agora eu só jogo em eventos de caridade e estou trabalhando na minha própria linha de golde então eu quero continuar jogando.

É algo que eu sempre fiz por diversão mas eu amo o aspecto de moda também. Ninguém entende isso, mas eu acho que roupas de golfe são fofas então talvez seja por isso que eu goste tanto, não totalmente ser uma atleta competitiva mas também o estilo disso.

Espere, me conte mais sobre essa linha de golfe!
Eu tenho esses desenhos e ideias, eu quero fazer umas peças, e eu gosto muito de calças de corrida – e eu sempre uso elas no campo de golfe, então quero criar um par que seja apropriado para um torneio que seja chique mas confortável.

Você atua desde que tinha 4 anos de idade. Você já ansiou por uma vida “normal”?
Eu estava pensando nisso, porque eu sempre penso que minha vida É normal. É normal para mim, e meus amigos que tem minha idade – todos temos as mesmas coisas acontecendo. Eu e minha melhor amiga, sempre passamos pelas mesmas coisas só que de maneiras diferentes, então eu não anseio por uma vida normal, eu gosto dessa. [Risos]

Eu não tenho muitos amigos atores, meus colegas de elenco são meus amigos mais próximos, mas eu tenho muitos amigos que são do ensino médio e crescer continuando amiga deles, que nunca me viram atuar em nada, é meio engraçado.

Eu tive a oportunidade de ir para a faculdade e ser “normal” e eu escolhi fazer Big Little Lies invés disso, e minha vida não é a mesma desde então, então é normal para mim mas eu não trocaria por nada.

Como foi sua experiência no ensino médio? Você trabalhava e ia para a aula?
Sim! Eu sempre fui muito nerd, sempre amei ir para a escola. Eu frequentei uma escola católica para meninas na Flórida e então fui para a Notre Dame High School em Sherman Oaks, Califórnia. Eu concorri a presidente de classe quando era caloura e dei Kit-Kats e camisetas para as pessoas, e ninguém sabia quem eu era porque eu perdia muitas aulas por causa do trabalho. Mas o golfe me deu meu grupo de amigos, meus amigos mais próximos são o meu time de golfe.

Sua personagem em The Society é uma líder – você se considera uma na vida real?
Bom acho que é meio engraçado que ninguém votou em mim para presidente de classe na vida real! [Risos] Eu não acho que sou uma líder. Ninguém me ouve na vida real! É meio que um sonho virando realidade, eu gosto de interpretar a Allie e ter essas cenas na igreja onde todos estão olhando pra mim e eu tenho toda a atenção, porque isso não acontece na vida real, então foi divertido.

O que você achou da finale? O que você acha que acontece com sua personagem Allie?
Acho que a Allie aprendeu muito no jogo do poder, e sabe o quão difícil é seu trabalho, e nem todo mundo aguenta. E acho que ela não está tão preocupada, acho que ela tem confiança suficiente nela mesma para saber que tudo pode desmoronar nas mãos de alguém como a Lexie.

Teve esse sentimento na última cena onde eles estão sendo levados no carro, eu pensei ‘Hmm, você não me pegou ainda’. Eu não sei se já pegaram ela, e eu não sei se ela quer ser a líder de novo. Nunca foi assim pra Allie, ser o rei. É mais sobre a bondade na sociedade e eu acho que ela está mais preocupada com isso do que todo o resto. Não é sobre ela estar no poder.

O que você pode nos contar sobre a cena do sorvete em Big Little Lies?
Eu posso contar que levou três tentativas para a Reese acertar, mas deixa eu te contar, ela ACERTOU a Meryl com aquele sorvete.

Você pega essas personagens que tem certa inocência de primeira e então vão para caminhos de certa escuridão ou maturidade – o que te leva a papéis como esse?
Eu sou muito levada pelos personagens nos projetos que escolho. Interpretei uma adolescente em Big Little Lies, e Abigail é parecida comigo mas ao mesmo tempo não é. Não sou nada como nenhum dos meus personagens, mas sou uma adolescente, e eu venho tentando me descobrir.

Uma personagem como a Allie não aparece muito frequentemente. Ela pensa que sua vida está definida e ela não precisa fazer nada, mas então tudo muda e ela tem que crescer. Muitas pessoas tem que fazer isso na vida real também, precisam aprender a ter controle de suas vidas.

O que você espera ver mais quando se trata de filmes e séries sobre jovens meninas?
Adolescentes não tem apenas uma dimensão e eles não são esteriótipos. Eles não são só irritados e mimados e bravos com o mundo. Eles são humanos tentando entender o sentido da vida e porque estamos todos aqui. E talvez nunca descobriremos, mas quando você é jovem, é quando você tem mais tempo para contemplar essas coisas.

Em uma série como The Society, você se relaciona com cada personagem porque eles não são quem você pensa que são a primeira vez que os vê. Então eu espero que na TV e cinema, continuemos a contar histórias verdadeiras de pessoas reais. Eu acho que isso está acontecendo, estão surgindo papéis para jovens. É um ótimo momento para as jovens meninas em Hollywood.

Você já trabalhou com atores incríveis. Tem alguém que você considera seu maior mentor?
Eu diria que seria a Reese Whiterspoon. Julia Roberts também vem sendo. Eu sou muito sortuda de estar na presença delas e trabalhar com elas.

Reese é tão generosa, e me levanta. Ela sempre acreditou em mim e me deu tanta confiança que eu sinto que quero fazer isso por outras pessoas também. A Julia também, ela me deu tanto amor, e eu recebi isso nos sets. Elas duas criaram o caminho para meninas como eu.

Estávamos filmando Big Little Lies quando eu consegui o papel em The Society, e eu perguntei pra Reese, ‘Meu Deus, o que eu faço?” E ela me disse pra receber todos em casa para jantar e levá-los para jogar boliche. Foi o que ela fez para nós em Big Little Lies, ela nos levou pra jantar, e isso cria uma comunidade e irmandade que se traduz na tela. E não acabou depois que terminamos de filmar, o que significa muito pra mim. Crescer em sets, você quer ser amigo de todos, mas sua vida acontece e você volta pra escola e volta pra casa e tem que fazer outras coisas, no meu caso, arrumar a cama. E então você acha que acabou e nunca mais vai ver essas pessoas de novo, mas isso não é verdade.

Conversa rápida:

Qual seu item de roupa favorito?
Meu chinelo da Gucci. Eles tem esses diamantes por todo o chinelo e eu tenho eles há alguns anos e provavelmente uso todos os dias.

Quem você ficou mais doida ao conhecer?
Eu conheci Paul Rudd e Donald Glover na premiere de Big Little Lies ao mesmo tempo e eu estava confusa e chocada e foi a primeira vez que isso aconteceu e eu não entendia o que estava acontecendo.

Eu estava com a Zoe Kravitz e ela dizia ‘Oh, o Paul Rudd e o Childish Gambino estão ali’, e eu não conseguia falar. Não sabia porque isso estava acontecendo, e eu imediatamente pedi uma foto. Ficou tremida, mas eu consegui.

Qual conta no Instagram você está obcecada no momento?
É essa conta @memesofthesociety porque eles postam todos esses memes da série e temos um grupo no Instagram com o elenco e estamos constantemente enviando esses memes uns para os outros. Há muitas pessoas talentosas que criam memes por aí.

O que você gostaria que as pessoas soubessem sobre você?
Eu acho que as pessoas pensam que eu tenho um palácio rosa ou algo assim, e eu sou toda fofinha, mas na verdade eu estou usando moletons a maior parte do tempo. Acho que pensam que eu sou um poodle na vida real, mas eu só sou um poodles nas sextas.

Qual foi a última série que você maratonou?
The Crown e Parks and Recreation. Costumava ser The Office, mas já assisti tudo duas vezes, precisei seguir em frente.

Qual é a próxima coisa que você está ansiosa?
Eu estou ansiosa para ir para Paris para o desfile da Dior em julho. É sempre um sonho ir nesses desfiles. Eu choro nessas coisas, todo mundo em Paris é mais chique que eu.

Fonte: InStyle

No dia 23 de maio, Kathryn Newton gravou sua participação no programa IMDb Show, mas ela só foi ao ar no dia 6 de junho. Na entrevista, ela conta sobre o set de Big Little Lies e também fala sobre The Society. Confira o vídeo abaixo (em breve legendado):

Confira também as fotos profissionais da entrevista em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

APARIÇÕES & EVENTOS > 2019 > 23/05 – THE IMDB SHOW IN STUDIO CITY, CA

imdbshow-002.jpg imdbshow-004.jpg imdbshow-009.jpg imdbshow-016.jpg

Kathryn concedeu uma entrevista para a revista Vanity Fair onde conta algumas coisas sobre fazer parte de Pokemon Detetive Pikachu e Big Little Lies, confira traduzido abaixo:

Esse é o verão de Kathryn Newton. Você estrela nas pequenas e grandes telas, primeiro em Pokemon Detetive Pikachu ao lado de Ryan Reynolds.
Meu primeiro dia de aula no ensino fundamental eu tinha uma mochila do Pikachu, e eu ainda tenho as cartinhas. Então é louco fazer parte de algo que fez parte da sua infância. Minha personagem, Lucy Stevens, é uma jovem repórter que se deixa levar, é destemida e divertida, e eu estou muito orgulhosa desse novo mundo que criamos – um filme como Pokemon não aparece assim com tanta frequência.

Estou ouvindo um pequeno sotaque?
Honestamente, depende de com quem eu estou, porque eu sou de Miami. Quando tinha 11 anos, me mudei pra LA para uma sitcom chamada Gary Unmarried, então agora estou cercada de sotaques de meninas do vale. E se eu fico em Londres tempo demais, eu volto pra casa meio britânica.

Jim Burrows produziu essa série, criou Cheers, e dirigiu Frasier, Friends e Will & Grace. Me conte como foi fazer audição para o rei das sitcoms.
Ele joga golfe e eu também, e acho que eu consegui o papel por causa disso. Eles escreveram muito golfe dentro da série.

Você ainda joga?
É claro. Eu era conhecida como Kathryn a golfista no ensino médio. Meu próximo torneio é no Pebble Beach, e eu estou muito ansiosa. É um dos meus percursos favoritos.

Então você vai voltar para o norte da califórnia, sua pequena floresta de Big Little Lies.
Exatamente. Eu amo Carmel – o melhor golfe e o melhor shopping vintage. Eu que faço meu estilo, então para a turnê de imprensa de Pokemon, eu olhei todas as coleções e sonhei alto. Normalmente eu uso moletons, então se vou me arrumar, vou com tudo.

Me leve de Kathryn a golfista para estar numa série de sucesso da HBO.
Quando você vê um elenco desse, você pensa, ‘Eles não vão me escolher.’ Quando eu conheci o diretor Jean-Marc, ele disse ‘Eu não sei se você consegue ser durona,’ então eu dei tudo de mim. ‘Bom, isso é o máximo de durona que posso ser.’ A próxima coisa foi estar na mesa de leitura com Nicole, Reese, Shailene, Zoe e Laura e eu estava assistindo elas. Reese e eu comemos juntas depois disso, e eu senti que ela ia me levar as alturas. Ela realmente me deixou voar e desabrochar.

Tem algo que você possa revelar sobre a segunda temporada?
Você pode esperar muito mais conflitos entre eu e minha mãe Madeline, interpretada pela Reese, junto com todo o caos que está acontecendo no mundo de Big Little Lies.

Um mundo que agora inclui Meryl Streep?
Oh meu Deus. Quando a Reese me contou que a Meryl ia fazer parte do elenco, eu comecei a gritas. Ela é maravilhosa porque ela realmente se adapta e escuta, e isso faz toda a diferença. É o set mais profissional que eu já estive na vida.

O que os colegas de Kathryn falam sobre ela?

Fan Mail from Kathryn Newton's Co-Stars.

Ryan Reynolds: “Kathryn me lembra Bernadette Petters. Por trás de sua abordagem doce no lado de fora, espreita uma grande titã.”

Reese Whiterspoon: “Eu fico tão orgulhosa dela estar no controle de sua carreira, se tornando uma líder nos sets e entre seus iguais.”

Martin McDonagh: “Eu não posso imaginar outra jovem atriz indo de frente com Frances McDormand e não ficar intimidada.”

Confira a foto do ensaio fotográfico em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS > 2019 > VANITY FAIR

vanityfair2019-001.jpg vanityfair2019-001.jpg vanityfair2019-001.jpg vanityfair2019-001.jpg

Fonte: Vanity Fair

No último dia 29, Kathryn participou da premiere da segunda temporada de Big Little Lies em NYC. Confira as fotos na galeria clicando nas miniaturas abaixo:

APARIÇÕES & EVENTOS > 2019 > 29/05 – SEASON 2 PREMIERE OF “BIG LITTLE LIES” AT JAZZ AT LINCOLN CENTER

108851630_k-3.jpg 108851645_k-6.jpg 108851820_k-14.jpg 1146904509.jpeg

APARIÇÕES & EVENTOS > 2019 > 29/05 – BIG LITTLE LIES PREMIERE AFTER PARTY

1152540122.jpeg 1152540122.jpeg 1152540122.jpeg 1152540122.jpeg

Kathryn concedeu uma entrevista para a Cosmopolitan acompanhado de uma sessão de fotos incrível onde ela conta ainda não acreditar tudo que está acontecendo em sua vida no momento, e como ela não seguiu os conselhos da Emma Roberts. Leia traduzido abaixo:

Kathryn Newton não supera o quão lindos são seus colegas de elenco. Estamos com ela em uma janela dentro da Dirty French em NYC comendo panquecas e ovos benedict para que ela não precise escolher o que prefere comer. A atriz de 22 anos ama falar sobre seus três poodles tanto quanto ama falar sobre os projetos que ela está em NYC para promover: O drama da Netflix The Society, o blockbuster Pokemon Detetive Pikachu e a segunda temporada de Big Little Lies, onde ela atua ao lado de Reese Whiterspoon, como sua mãe. Você sabe, Abigail é aquela que tentou vender sua virgindade online.

Embora ela tenha a idade mais próxima da repórter que ela interpreta em Detetive Pikachu, ela parece mais com a menina de 16 anos que ela interpreta na série da Netflix. Kathryn é pequena, mas ela ocupa espaço, balançando seus braços no assento perfeito para as pessoas verem. Seus apliques loiros ocupam os ombros. Ela palpita sobre a mesa, usando uma roupa da Chrome Hearts e chinelos da Gucci – esse tipo de estética artisticamente desgrenhada que lembra a abelha-rainha da sua escola.

Quando menciono Alex Fitzalan, que interpreta Harry, o menino rico, mimado e problemático em The Society, sua série da Netflix sobre um grupo de adolescentes ricos de Connecticut acabam presos em um universo paralelo sem supervisão de adultos, e ela literalmente geme. “Oh meu Deus, e ele é australiano. Nos dê uma folga, por favor.”Mas seu favorito? O psicopata Cambell, interpretado por outro australiano, Toby Wallace. “Eu amo trabalhar com eles porque são todos tão lindos,” ela ri. “Eu fiquei meio ‘O que é isso?’ Mas ninguém fez nada engraçado. De verdade. Não tinha nada engraçado.”

Na verdade, “Eu nunca tive um namorado,” Kathryn conta, sobre a falta de encontros no set de The Society. Foi meio que uma experiência da faculdade – vários jovens passando um tempo sem supervisão entre os dias de gravação – mas eles estavam em Boston a trabalho, e Kathryn não tem interesse em namorar atores. “É um saco. Eu já vi várias meninas da minha idade quebrando seus corações,” ela diz.

Depois que terminamos de comer e sentamos no carro para irmos para a sessão de fotos da Cosmopolitan, ela solta do nada que uma de suas mães de tela famosas, Julie Roberts, colocou sua sobrinha, Emma Roberts – para ser casamenteira. “Ela dizia ‘Precisamos te arrumar um namorado. Você gostaria dele? E aquele outro? Mas eles são todos atores,” Kathryn quase grita, mas abaixa a cabeça. “Talvez eu seja estúpida.” O que?

Longe disso. Kathryn é filha única – “Eu costumava ter problemas para compartilhar condimentos, muito menos uma refeição inteira” – de pais de sucesso. Sua mãe, Robin, foi uma pilota de aviões e seu pai, David, fazia negócios na China. Papa Newton insistiu em ensinar Mandarim para Kathryn para que ela pudesse tomar conta da empresa um dia. A atriz disse um grande não, mas pode usar suas habilidades com línguas para conversar com fãs durante a turnê de imprensa de Detetive Pikachu.

Kathryn trabalha como atriz desde que tinha 4 anos em All My Children mas insistiu em ir para uma escola normal em Los Angeles. “Eu ia para a aula de biologia, e meu telefone começava a tocar porque era meu agente, “ ela diz, revirando os olhos.

“Eu pegava detenção porque você não pode usar o celular. E eu tentava explicar ‘Eu sei, mas é meu agente.’ E eles ficavam meio ‘Eu não ligo!'” Kathryn amava isso mas admite que isso acontecia porque ela ainda não estava lá. Ela esteve em Atividade Paranormal 4 ou gravando Sobrenatural, a série da CW onde ela interpretou Claire Novak desde 2014.

Ao invés da faculdade, Kathryn teve sua educação vindo de mentores como Reese Whiterspoon em Big Little Lies e Jensen Ackles e Jared Padalecky em Supernatural (“Eu aprendi coisas com eles antes de tudo. Eu ficava meio ‘É assim que é uma estrela. Eles conseguem sua própria Coca-Cola'”). Ela absorve toda lição que pode dos mestres, e quando foi sua vez de liderar uma série, ela foi até Reese para conselhos.

“Antes de eu começar The Society, eu disse a ela ‘Eu estou assustada'”, Kathryn diz sobre interpretar Allie, uma menina comum que se torna uma líder relutante, forçada a governar o grupo de adolescentes depois de uma tragédia que não vou dar spoilers aqui. “Reese dizia ‘Você já é uma líder, você vai ficar bem. Leve todos pra jantar, leve eles para jogar boliche, receba todos em casa para uma noite de jogos.'” E ela fez isso, comprando uma fazenda do lado de fora de Boston que o elenco usava como uma sala comunitária, pegando comida do jardim e fazendo massa do zero. “Isso criou uma base onde ficamos realmente confortáveis uns com os outros e amamos uns aos outros, e então a série fica melhor assim, sabe? Ainda temos um grupo pra conversar. Eu tenho novos amigos.” Kathryn parece quase surpresa.

Ela não deveria ficar, mas posso ver porque. No set, Kathryn faz uma brincadeira sobre sair como não é fiel porque ela sabe a diferença entre um colar de diamantes caros e uma réplica barata. Mas aí que está: Ela não é fiel. Ela chama Shailene Woodley e Zoe Kravitz de suas “mães legais que são jovens.” Ela conta algumas coisas sobre trabalhar com a Meryl Streep na segunda temporada de BLL (“Ela fez dentes falsos para o papel, sabia? Ela não pediu pra ninguém, nem mesmo a HBO. Ela apenas fez.”) O vestido gigante da Ralph & Russo que ela usou na premiere de Detetive Pikachu em New York foi originalmente escolhido para a Sarah Jessica Parker usar no Met Gala desse ano.

Agora que a série finalmente saiu, seus colegas de elenco vem até ela para conselhos. Quando Jack Mulhern foi basicamente forçado a fazer um Instagram por fãs que estão apaixonados pelo menino fofo Grizz, ele se sentiu… esmagado. “Ele é tipo ‘Eu não sei como desligar minhas notificações, Kathryn!'” Ela começa a rir e tenta imitar ele jogando as mãos pra cima frustrado. “Ele dizia ‘Jesus Cristo, faça parar.’ Eu estava morrendo.”

Até o dia a dia de Kathryn parece um sonho. Seus hobbies favoritos, comprar coisas vintages e jogar golfe, parecem incrivelmente luxuosas. Ela insiste que vive em moletons e abrigos de caminhada, mas eu sinto que isso é tão sofisticado quanto o que ela está usando hoje. Oh, e não vamos esquecer os poodles, que se chamam – Danforth Lady Bird Tiny Paris, Jack King Ruler of All Floof e Buddy Hella Good Boy Gonna Need a Big Bank. Para ser justo, isso é mais para diversão. Ela chama eles de Tiny, Jack e Buddy no dia a dia.

Para qualquer outro ser humano no planeta, a vida charmosa de Kathryn faria ela ser extremamente desagradável. Ela recebeu conselhos de amor da Emma Roberts pelo amor de deus. E ELA NÃO SEGUIU. Mas a intensa e genuína excitação de Kathryn em cada palco dessa jornada, e a graça na cara do estrelato eminente, vai fazer você torcer por ela. Ela não parou de sorrir nas seis horas que compartilhamos. Ela também não acredita que essa é sua vida!

“Eu fico no Twitter quando estou sozinha no hotel o dia todo depois de um longo dia, e eu vou falar com meus fãs,” ela conta. “E eles dizem as coisas mais legais. Eles falam ‘Continue docinho, estou tão orgulhosa de você’. Eles me mantem seguindo em frente.” Ela fica tonta sobre uma thread no Twitter que compara ela a vários drinks do Starbucks.

Ela está feliz por estar aqui, figurativamente e literalmente falando… Nessa turnê de imprensa. “Você come bastante, veste roupas maravilhosas e então conhece muitos fãs e fala sobre o projeto que você ama,” ela diz. “Eu tive alguns atores que me disseram, ‘Oh, se prepare para a turnê de imprensa. Oh meu Deus, vai ser tão estressante.’ E eu fiquei meio ‘Eu não sei onde está esse estresse gente. Eu não posso ver desse hotel.”

E mais, a moça não liga pro que você pensa do corpo ou pele dela, o que é ótimo. “Você nunca se sente mal consigo mesma até que alguém diga ‘Você não deveria usar essa blusa.'” Sendo uma atriz, ela passa por cabelo e maquiagem quase todos os dias. “Você começa a ver defeitos que não estão ali,” ela explica. Então ela tenta ignorá-los e sempre come o que quer, incluindo panquecas e ovos benedict com batatinhas. “Todos são lindos, e não é sobre como você é para contar uma história. Não é. Eu nunca olhei para uma atriz e pensei ‘Oh, ela é tão magra’ ou ‘Oh, ela é tão gorda.'”

Kathryn não é aquela pessoa que teve coração partido – o que é bom para ela. Ela não é como sua personagem Allie, que perde sua virgindade para o Harry depois de ser rejeitada pelo crush Will – e ambos só tem olhos para a mesma menina (Kelly). Talvez seja por isso que ela não entre na onda da Emma e aceite esses encontros as escuras com atores. Quem precisa deles?

Fonte: Cosmopolitan

Confira as fotos da sessão de fotos para a Cosmopolitan clicando nas miniaturas abaixo:

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS > 2019 > COSMOPOLITAN

katcosmo-005.jpg screenshot-2019-05-23-21h01m56s712.png screenshot-2019-05-23-21h02m08s846.png katcosmo-004.jpg

DESENVOLVIDO POR lannie d.